sábado

Quase 4 meses depois, estás quase quase de regresso!
Vens no mesmo avião que os irmãos Koala, trazes o coração cheio de saudades da formiguinha e nós esperamos por ti com uma vontade imensa de te rever e de te ter por perto.
Vão chegar os dias seguros, em que sabemos que ninguém nos fará mal porque te temos aqui. Pode até cair o mundo lá fora, que se depender de ti não haverá pedra que nos magoe.
E que bom que é, saber que durante alguns dias temos colo e mimo a toda a hora e momento!
Cá te espero meu pai gordinho*

quarta-feira


"Levantas o teu corpo cansado do chão.
Afasta esse peso que te esmaga o coração.
Abres uma janela e pergunta-te quem és.
Respiras mais fundo e enfrentas o mundo de pé.

Eu venho de tão longe e procuro há mil anos por ti.
Estendo a minha mão até te sentir.
Não sabemos nada do que somos nós.
Mas sabemos tanto do que muda por não estarmos sós.

Abraça-me bem

Levantas os teus olhos para me olhar assim.
Procuras cá dentro onde me escondi.
E eu tenho medo, confesso, de dar.
O mundo onde guardo tudo o que mais quis salvar.

Tu dizes que não há outra forma de ficarmos perto.
Não há como saber se o caminho é o certo.
Só pode voar quem arriscar cair.
Só se pode dar quem arriscar sentir.

Abraça-me bem"

Simples*

segunda-feira

Parabéns PAI!

Hoje é o dia do melhor pai do Mundo!
Hoje é o dia de me lembrar ainda mais e mais de ti!
É dia de te dar os parabéns por tantas coisas boas que me ensinaste e que me foste dando!
Parabéns pela pessoa única e brilhante que és, pelo pai extraordinário que sempre foste!
E apesar da distância há sentimentos que nunca irão mudar...
Adoro-te pai gordinho da minha vida*
Nos dias em que nos apetece não sair da cama, em que nos apetece comer torradas o dia todo e ter mimo e mais mimo e mais mimo e não sair desse mesmo MIMO, reparamos que...nem sempre os dias são como desejamos!!!Grrrrrr...
E hoje só há desse mesmo mimo pelo telefone, mas ainda assim, sabe bem que se farta! :)

segunda-feira

Com uma dor de cabeça do tamanho do mundo e com o corpo a pedir caminha!
Vou-lhe fazer a vontade.
Amanhã estou nova!

quarta-feira

O chão é a cama para o amor urgente,
O amor não espera ir para a cama.
Sobre o tapete no duro piso,
a gente compõe de corpo a corpo a última trama.
E para repousar do amor, vamos para a cama!

Carlos Drummond de Andrade

quarta-feira

Esta ainda não é a cara nova do blogzinho, mas enquanto a definitiva não aparece, fica só uma lufadinha de ar fresco :)

segunda-feira

Por tudo se escreve, por nada se apaga... e o que não se mostra sabe sempre tãoooo melhor! :)
Ali ao fundo...não vês??
Sim, mesmo ao fundo...
Caramba, olha!!!!
No fundinhooooo... Isso mesmo!!!!
É uma luzinha!*

domingo

É segredo!

Escondo segredos num caderno encarnado, numa caixa de cartão, numa parede com papoilas...num perfume sem tampa, num espelho dividido, num livro que não me canso de ler, nas asas de uma borboleta de papel... Escondo segredos numas botas de montanha, numa aldeia perdida, numa casa sem telhado...numa pulseira incompleta, num bilhete de cinema, num copo flurescente... Escondo segredos numas minhocas gigantes, numa toalha cor de rosa, numa cama pequenina...numa música de verão, num verniz alaranjado, numa vodka preta...naqueles croissants, naqueles tremoços, naquela esplanada...Escondo segredos na casa rosa Princesa, no quarto do sótão, nas tendas que foram cúmplices de tantas conversas...
Escondo segredos nas gargalhadas da formiga, no puré do ÚNICO irmão , nas palavras da cunhada sensata... nas conversas com a mãe/amiga, no colo do pai protector, nos "fogos de conselho" dos primos/irmãos...
Escondo segredos nas minhas mãos, no teu sorriso, naquilo que é nosso...naquela música, naquele estádio, naquele doce...Escondo segredos no meu coração, nas tuas pestanas, no nosso abrigo...no teu abraço, no nosso desejo, na minha serenidade...
Segredos que tornam a minha vida tão mais preenchida.

Xiuuuu...são os nossos segredos*

segunda-feira

Toma conta de nós, faz o coração bater rápido e não nos deixa ser racionais.
Está aqui e ali, uns dias mais do que outros, faz-nos pensar em presentes, em surpresas e em mimalhices.
Faz-nos viver os dias muito mais intensos e rouba-nos horas de sono.
Deixa-nos com medo e com vontade de engolir o mundo.
É um sentimentos que nos aquece o corpo e o coração, que dorme conosco na cama, nos agita a cabeça e nos descontrola as hormonas.
É tãoooo bom quando nos sentimos apaixonados, mesmo quando temos noção de que pouca coisa dura a vida toda!!!
Eu GOSTO de muita gente, ADORO algumas pessoas, AMO só os que me são mais próximos,mas PAIXÃO, daquela que nos provoca estas coisas todas, essa eu só sinto por UMA pessoa!!! E isto sabe tãooo bem :)

terça-feira

Momentos

Sábado a cidade de Coimbra foi pequena para receber tanta gente e o estádio foi minúsculo para tantas emoções.
Nós fomos, deliramos e partilhamos aquela imensa magia!
Há momentos que não se repetem, que se guardam numa caixinha para a vida inteira e, sem sombra de dúvida, Coimbra ficará nessa caixinha por todos os motivos e mais alguns!

"Well, it's too late, tonight,
To drag the past out into the light
We're one, but we're not the same
We get to carry each other, carry each other
One"

Domingo foi dia de futebol. Não foi do meu Clube, mas mesmo assim gostei imenso do momento (não fosse a derrota do Braga e teria vindo ainda mais feliz :p ). Não custa partilhar momentos quando se gosta, e afinal de contas o cachecol cor de rosinha (oferecido) é um miminho! Hehehe
Mas para que não restem dúvidas... POOOORTOOO :)


Como o fim de semana foi MESMOOOO docinho, terminou assim...Como uma miúda de 4 anos, pedi tantoooo um Cupcake que lá fomos procurar a lojinha no meio daquela confusão toda!
Tal como já disse, quando se gosta partilham-se momentos! Este teve sabor a limão :)

Os momentos que nos fazem felizes também se partilham com as pessoas que gostam realmente de nos ver felizes!!
Aqui ficou um bocadinho da minha felicidade *

segunda-feira

Gostar

"Esta coisa de gostar de alguém não é para todos e, por vezes – em mais casos do que se possa imaginar – existem pessoas que pura e simplesmente não conseguem gostar de ninguém. Esperem lá, não é que não queiram – querem! – mas quando gostam – e podem gostar muito – há sempre qualquer coisa que os impede. Ou porque a estrada está cortada para obras de pavimentação. Ou porque sofremos de diabetes e não podemos abusar dos açucares. Ou porque sim e não falamos mais nisto. Há muita gente que não pode comer crustáceos, verdade? E porquê? Não faço ideia, mas o médico diz que não podemos porque nascemos assim e nós, resignados, ao aproximar-se o empregado de mesa com meio quilo de gambas que faz favor, vamos dizendo: “Nem pensar, leve isso daqui que me irrita a pele”.

Ora, por vezes, o simples facto de gostarmos de alguém pode provocar-nos uma alergia semelhante. E nós, sabendo-o, mandamos para trás quando estávamos mortinhos por ir em frente. Não vamos.. E muitas das vezes, sabendo deste nosso problema, escolhemos para nós aquilo que sabemos que, invariavelmente, iremos recusar. Daí existirem aquelas pessoas que insistem em afirmar que só se apaixonam pelas pessoas erradas. Mentira. Pensar dessa forma é que é errado, porque o certo é perceber que se nós escolhemos aquela pessoa foi porque já sabíamos que não íamos a lado nenhum e que – aqui entre nós – é até um alívio não dar em nada porque ia ser uma chatice e estava-se mesmo a ver que ia dar nisto. E deu. Do mesmo modo que no final de 10 anos de relacionamento, ou cinco, ou três, há o hábito generalizado de dizermos que aquela pessoa com quem nós nos casámos já não é a mesma pessoa, quando por mais que nos custe, é igualzinha. O que mudou – e o professor Júlio Machado Vaz que se cuide – foram as expectativas que nós criamos em relação a ela. Impressionados?

Pois bem, se me permitem, vou arregaçar as mangas. O que é díficil – dizem – é saber quando gostam de nós. E, quando afirmam isto, bebo logo dois dry martinis para a tosse. Saber quando gostam de nós? Mas com mil raios, isso é o mais fácil porque quando se gosta de alguém não há desculpas nem “ ai que amanhã não dá porque tenho muito trabalho”, nem “ ai que hoje era bom mas tenho outra coisa combinada” nem “ ai que não vi a tua chamada não atendida”.

Quando se gosta de alguém – mas a sério, que é disto que falamos – não há nada mais importante do que essa outra pessoa. E sendo assim, não há sms que não se receba porque possivelmente não vimos, porque se calhar estava a passar num sítio sem rede, porque a minha amiga não me deu o recado, porque não percebi que querias estar comigo, porque recebi as flores mas pensava não serem para mim, porque não estava em casa quando tocaste.

Quando se gosta de alguém temos sempre rede, nunca falha a bateria, nunca nada nos impede de nos vermos e nem de nos encontrarmos no meio de uma multidão de gente. Quando se gosta de alguém não respondemos a uma mensagem só no final do dia, não temos acidentes de carro, nem nunca os nossos pais se sentiram mal a ponto de nos impossibilitarem o nosso encontro. Quando se gosta de alguém, ouvimos sempre o telefone, a campaínha da porta, lemos sempre a mensagem que nos deixaram no vidro embaciado do carro desse Inverno rigoroso. Quando se gosta de alguém – e estou a escrever para os que gostam - vamos para o local do acidente com a carta amigável, vamos ter com ela ao corredor do hospital ver como estão os pais, chamamos os bombeiros para abrirem a porta, mas nada, nada nos impede de estar juntos, porque nada nem ninguém é mais importante, do que nós."
 
Fernando Alvim

E isto pareceu-me tão certo e tão realista que achei por bem partilhar com quem ACHA que gosta!
Ganhei medo de correr descalça
Fico assustada com o barulho do vento
O céu cinzento deixa-me impaciente
A distância preocupa-me
O "não saber para onde ir" deixa-me insegura
É certo...
Desaprendi a voar!

sexta-feira

Amiga de coração grande*

"Todos os homens têem uma estrela.
Numa das estrelas eu estou a morar. Numa delas estarei a rir. E assim será como se todas as estrelas estiverem a sorrir, quando olhares para o céu à noite... Tu – só tu – terás estrelas que sorriem."
O Principezinho, de Saint-Éxupéry

I – A Metamorfose
É preciso lembrar que, antes de voar por cima de todas flores e de conseguir ver o mundo de uma forma diferente, a nossa bela borboleta era uma pequena lagartinha que achava que este mundo não era feito para ela. Ela não sabia, mas dentro dela havia toda uma perfeição de cores ansiosas por pintar o universo.
Por isso, para esconder aquela beleza que ainda não conhecia, foi-se envolvendo dentro de um pequeno casulo doce, quente e fofo, como se fosse um algodão-doce em miniatura, e lá se foi deixando estar.
Mas um dia, um lindo dia de sol, abriu-se uma pequena frecha no casulo. Os raios da estrela maior atraíam a pequena lagartinha de volta para o mundo.
Com um esforço inimaginável, foi furando a teia que ela própria tinha construído. À sua volta todos olharam espantados e viram aquelas asas coloridas a bater insistentemente e a tentar voar.
Sem que qualquer um de nós desse conta, sem que ela própria se desse conta (acho que ainda hoje ela não tem bem a consciência de toda a sua beleza) – as suas asas começaram a abrir-se e, cheias de força e delicadeza, tornaram o nosso mundo muito mais bonito.

II – O Caminho
Mal abriu as asas, a borboleta percebeu logo que ainda tinha muito a conhecer porque aquele era um Mundo Novo que se estendia debaixo de si. Mas agora sim... podia voar.
Este mundo era como que um novo caminho que se abria à sua frente: atenta a todos os novos pormenores – as flores, as árvores, os rios e todos os outros bichos que habitavam este lugar –, e consciente de que, fazendo parte do seu mundo, estes seriam os instrumentos que a ajudariam a crescer livre e responsável.
Todos os dias um novo desafio, uma nova opção que recebia de asas abertas pronta a ultrapassá-los segura de que as suas decisões seriam sempre guiadas pela sua fé.

III – A Comunidade
A nossa borboleta era pequena (como qualquer borboleta) e muito bonita. Mas, o que não se conseguia perceber logo de início era que, por trás de toda aquela fragilidade aparente e da sua beleza, estava um coração de ouro cheio de amor para dar e capaz de guardar dentro dele todo este Mundo Novo.
Claro que também existiam neste mundo alguns bichos que não eram tão fáceis de conhecer. Mas nada era impossível para a borboleta, porque com o seu sorriso e a sua personalidade forte – de quem sabe que só em comunidade, partilha e amor se pode construir um mundo melhor – ela conseguia quebrar todas as barreiras e fazer os outros perceber que todos são irmãos.
Foi assim que ela me conquistou: com o seu sorriso; com a sua força; com as suas palavras amigas; e com a sua capacidade de ver todo o mundo de uma perspectiva diferente – a perspectiva do amor.

IV – O Serviço
Mas a pequena borboleta sabia que para crescer não bastava ver tudo quanto havia para ver, porque a verdadeira descoberta só é possível no serviço ao mundo e aos outros.
Por isso, participava activamente em tudo o que houvesse para fazer. Às vezes com o chamado trabalho duro, outras apenas com a sua opinião sempre pertinente. Todos os dias, das mais diversas maneiras, colaborava no desenvolvimento do mundo, na construção da justiça e da paz.
Ao lado dela era muito mais fácil trabalhar. Havia sempre uma piada para descontrair, uma mão para ajudar a suportar o peso do trabalho, uma palavra amiga para seguir em frente... E assim, o mundo foi seguindo o seu rumo... não era só a borboleta que crescia mas também aquele mundo e todos os que nele habitavam.

V – A Partida
Passaram-se os dias... passaram-se os meses... passaram-se os anos...
Uma noite, debaixo do céu escuro, a borboleta olhou para o céu e apontou uma estrela. Era a estrela mais brilhante que se via no firmamento.
- Aquela é a minha estrela – disse ela.
- É a estrela que me iluminou e aqueceu durante o meu caminho e onde eu vou morar para sempre. Deste mundo não levo nada de material, mas o meu coração há de partir cheio de lembranças de todos os momentos bons que aqui passei... cheio dos sorrisos que todos os dias me ajudaram a levantar voo... cheio do amor que dei e recebi... cheio da paz que só alcança quem parte com a certeza de que ajudou a construir um mundo melhor.
- Vou seguir o meu caminho num Mundo Novo e colorir os dias de outros.
Dito isto, abriu as suas asas coloridas e voou em direcção à estrela.

Foi assim que a nossa pequena borboleta fez o seu caminho do casulo até à estrela onde agora mora. A estrela que todos os dias me ilumina, me faz sorrir e a mantém presente no meu coração. A estrela que me faz feliz por saber que outros têm agora a sorte de receber dela tudo quanto eu um dia recebi.
Quanto a ela, sei que todas as noites olha para esta estrela onde eu moro e sabe que basta voar até aqui para me encontrar porque estamos as duas no coração uma da outra.

Graça Barreto



Na parede do meu quarto está uma borboleta vermelha, pintada por ti, que se faz acompanhar de umas palavras que sempre me aqueceram o coração nos dias mais dificeis!

Fomos construindo caminho juntas, foste pintando as minhas asas com as cores mais bonitas que há e foste a força que muitas vezes precisei para voar.
Há pessoas que vão ficar sempre na nossa vida, que vão fazer parte dela aqui ou do outro lado do mundo, que apesar de tudo sabemos que NUNCA nos vão deixar sem porto de abrigo.Eu sou uma sortuda por saber que ai tenho e terei SEMPRE o meu porto seguro.E tu minha querida tens em mim e no meu coração um espaço tão protegido como tinha a rosa na redoma que o NOSSO Principezinho lhe deu.
E pouca coisa me deixa mais segura do que esta certeza de que há amizades que vão sempre alimentar-me a alma, que vão sempre mostrar-me que há alguma coisa de boa em mim e que vão ser sempre o aquecedor de coração que tantas vezes preciso.
Foi-me permitido chegar até ti aos bocadinhos e foi-me dada a honra de ai permanecer, não sabes como é bom...
Nada do que aqui está escrito é novo para ti, mas hoje (e já um bocadinho atrasado) está a forma mais simples e genuina de te dar os PARABÉNS, não só pelo aniversário, mas pela pessoa BRILHANTE e ESPECIAL que és!
Gosto de ti minha querida, gosto mesmo muito de ti! E apesar de não estar constantemente perto, nada é tão perto como o sitio onde te guardo*

quinta-feira

Ensinamentos

Hoje tenho noção de que aprendi imenso ao longo do meu percurso de vida, mas lamento profundamente que nunca ninguém me tenha ensinado quando devo parar de correr.

quarta-feira

Já procurei pela casa toda, virei o quarto ao contrário, puxei os lençóis para trás, abri os armários todos, vasculhei nas gavetas, tirei tudo das caixas... já procurei por todo o lado.
Vou-me vestir e sair...
Vou ver se me encontro lá fora!

segunda-feira

Persistência

s. f.

1. Acto de persistir.
2. Qualidade de persistente.
3. Perseverança, constância, firmeza.


Ainda não desisti!
Vamos indo... *

segunda-feira

Cansaço

"O que há em mim é sobretudo cansaço
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

 A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto alguém.
Essas coisas todas -
Essas e o que faz falta nelas eternamente
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.


Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada -
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...


E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço.
Íssimo, íssimo. íssimo,
Cansaço..."


Fernando Pessoa


Ainda que nada disto se explique, ainda que o cansaço não seja a resposta para tudo, ultimamente é assim que me ando a sentir...cansada de tudo e de nada, do que tenho e do que não tenho, do que faço ou deixo por fazer, do que quero e do que não quero...basicamente cansada e sem paciência!
Hoje muito mais do que ontem!
Lembro-me como se fosse hoje do nervoso miudinho que se fazia sentir por esta altura, sabendo que o ACAVER estava a chegar.
Lembro-me disto em todas as idades, em todas as secções... e gosto muitooo destas recordações que me fazem sorrir quando os dias parecem não passar.
Era uma semana cheia de tudo o que precisava, cheia de momentos bons, de actividades únicas, de amigos perto, de coisas que só se vivem no movimento e com quem o sente da mesma forma que nós! :)


E foram tantos os Acampamentos de Verão...de grupo, de agrupamento, de núcleo, de região...Dentro do país, fora do país...Tantos... :) E trazia sempre a "mochila" mais cheia, sempre com mil coisas para contar, uns arranhões e umas pisaduras, um bronze com a marca da t-shirt e dos calções...

Como eram bons esses tempos de miúda de lenço ao peito...e que saudades são estas que me assaltam a memória?!? :)

domingo

Somewhere over the Rainbow *

Abri a gaveta e tirei de lá o caderninho vermelho...
Incrível como o tempo passa tão rápido e como a nossa vida muda tanto...
Hoje tenho plena noção de que um dia, um dia já muito distante, gostaram realmente de mim! E eu que já nem me acreditava que isso tivesse sido possivel, quando desfolhei o caderninho vermelho, percebi que AFINAL já fui uma miúda com sorte!

Como alguém disse um dia,numa das páginas do tal caderninho: "Chegarás Somewhere over the rainbow. E não imaginas o quanto isso me enche de orgulho."

E eu cá vou indo...a tentar descobrir o caminho para o fim do arco-iris, onde dizem que existe um tesouro! Não procuro o tesouro, procuro simplesmente o conforto de voltar a sentir que ALGUÉM gostará de mim assim como sou! :)



"E da incerteza nasceu uma estrela *"

domingo


Os amigos estão presentes em muitos momentos da nossa vida...
Este foi o VOSSO dia, um dia que ao mesmo tempo foi também tão nosso! :)
E que daqui para a frente seja tudo ainda mais intenso e mais feliz :)

quarta-feira

Até sempre!

E quando acreditamos que tudo vai correr bem, quando começamos a acreditar que há milagres... do nada, sem explicação, sem aviso prévio, sem justiça e sem piedade levaram-te para longe de nós.
Ficou muito de ti na comunidade, na familia e nos amigos... Ficou em cada um de nós a imagem do sorriso rasgado, da alegria, das discussões, das noites de acampamentos, das actividades cheias de crianças á tua volta (de quem cuidavas como se fossem teus) ficou a imagem da menina de bata que nos recebia no seu trabalho sempre atenciosa, ficou a pessoa que resmungava por nos ver com pouca frequência, ficou a voz meiguinha quando percebia que não estavamos bem...
E hoje, no dia em que nos despedimos de ti, todas as lembranças que guardamos nos sabem a pouco, tudo parece vazio, tudo ficou gelado dentro de nós.
É nestes momentos que a vida nos passa pelos olhos como cenas de filmes, é nestas alturas que percebemos que somos tão pequeninos e que podemos ser ao mesmo tempo tão importantes para os que gostam de nós. E ver o sofrimento dos outros ali tão perto, deixa-nos de mãos atadas para lhes acalmar a dor. Uma dor que passa a ser nossa no momento em que decidimos receber as pessoas no nosso coração.
Hoje, perdemos um bocadinho de nós... :'(
Até sempre Marisa!

terça-feira

Pelos momentos bons.
Pela aprendizagem.
Pela mudança.
Pelo carinho.
Porque guardo em mim as pessoas que são importantes.
Porque precisava de o fazer.
Porque me entendo com letras.
Porque te entendo ao lê-la.
Porque em mim eu faço o que quero, quando quero.
Por aquelas noites e por aqueles dias.
Pelas palavras que calei.
Pelas discussões tardias.
Pelo afecto escondido.
Pelas incertezas de sempre.
Pelo amor-próprio que descobri.
Pela conversa sensata.
Pelas decisões difíceis.
Pelas viagens em vão e por aquelas que valeram a pena.
Pelas tempestades que provocavas em mim.
Pela paz que hoje sinto cá dentro.
Pela alegria de partilhar o momento contigo.
Porque nunca vou ter juízo.
Porque um dia me vou lembrar dos nossos dias.
Pelo sorriso no canto da boca.
Pelos olhos verdes que não podes esquecer.
Pelo abraço que não dei e não recebi no dia que a fiz.
Pela amizade que nasceu.
Pelo amor que já me encheu o coração.
Pelo futuro.
Porque sou doida e não me preocupo com o que vão pensar.
Porque nunca NOS vou esquecer.
Pelas pestanas enormes.
Pela atenção que nem sempre me foi dada.
Pelas noites com brilhantes na cara.
Pelos inícios de dia dinâmicos e felizes.
Pelo que és, pelo que sou e pelo que um dia fomos.
Pelo arrependimento que nunca senti.
Porque agora não me sinto sozinha.
Pelas TUAS incertezas e pelas minhas infinitas certezas.
Porque quando me chatear muito vou pensar que nas costas não a consigo ver.
Porque um dia isto fez sentido.
E porque agora…mesmo que tudo mude, em mim será para sempre.



 

Dia Mundial da Criança


Hoje era dia de dar milho ás pombinhas na Avenida dos Aliados, de comer pipocas e algodão doce no Senhor de Matosinhos, de comprar panelinhas, serviços de chá, colheres de pau e vassouras do nosso tamanho, de pedir tudo e mais alguma coisa, de ter tudo e mais alguma coisa... Hoje era dia de me vestir igual á minha Ivone e de lanchar na Baixa, era dia de pedir a nossa comida preferida e nos lambusarmos todas de sugos e afins... Era o nosso dia e sempre o aproveitamos como umas crianças felizes e sortudas que eramos!
Fui sempre uma criança mimada, cresci e assim me mantenho...e é tãooooo booommmm :) Gosto de mimo, gosto de atenção, de sugos, vassouras pequeninas e algodão doce!!Gosto MESMO!!! E estou-me nas tintas se alguém se sentir incomodado com isto...
Adoro este dia e adorava voltar a vestir a saia com folhinhos vermelhos e a t-shirt da minnie, correr atrás das pombas e andar nas cestinhas do Sr de Matosinhos... E voltar a ser menininha inocente que não conhecia pessoas más!
Hoje não é só o dia das crianças de idade, é também o dia de todos os que ainda a sentem a ferver por dentro e que em alguns momentos a mostram ao mundo! 
É também o MEU dia :) 

* Porque esta formiga nos enche os dias de sol, nos arranca sorrisos, nos mima e nos mostra como pode ser tudo tão bom e tão simples com uma simples gargalhada e um abracinho que nos enche o coração...
Hoje o dia é TEU minha querida :)

sexta-feira

Verdes?


Uma vez uma menina mimada, que já tinha idade para sair á noite, combinou um café com um miúdo na Praça Velasquez… Era Verão e a noite estava boa! Como era seu hábito, chegou atrasada e por pouco não perdeu o café (café esse que nunca existiu porque foi tudo mais rápido do que era suposto)… Coisas que ela achava que nunca iriam acontecer e que adorava criticar quando alguém lhe contava que o tinha feito. Era Verão e isso diz quase tudo!
Desde ai que a conversa se foi mantendo, os cafés foram tomados com mais frequência, ia sendo bom estar com o tal miúdo que a Queima de 2008 lhe tinha apresentado e lá foram dando passos na “relação” que iam mantendo umas vezes próxima e outras mais distante.
O sentimento cresceu e tudo mudou…
A história não foi longa, mas durou o suficiente para hoje a estar a escrever. E se bem se lembra, passaram 2 anos… Surpreendentemente foram-se aguentado longe/perto, bem/mal, fortes/fracos, durante esse período de tempo.
Mas… depois de muitas vezes ter atravessado a ponte, de ter feito viagens e mais viagens a correr atrás do miúdo, de ter sorrido e chorado o suficiente, de ter aprendido umas coisas importantes e de ter perdido muito do brilho que tinha nos olhos, esses mesmos olhos VERDES que desde cedo se prenderam às pestanas grandes do miúdo, a menina mimada percebeu que era hora de o deixar ir sozinho conhecer o mundo, descobrir por ele tudo o que ainda tem para descobrir! Ganhou coragem, abriu o coração que até então era como uma gaiola onde ele se sentia fechado e deixou-o ir…

Na despedida, a que nunca tiveram, ela fechou o coração a outros pássaros e decidiu arrumar a gaiola, tirar-lhe as grades que nunca deviam ter existido, plantar flores e tornar aquele lugar mais solarengo e aprazível para ela mesmo se sentir confortável lá dentro.
A menina chorou uma noite inteira, escreveu para o miúdo o que até hoje nunca lhe disse e fechou-se nela própria, até quando não se sabe…
Há quem diga que continuará a gostar dele pela vida, sabem os que a conhecem que o espaço que era dele ali permanecerá intocável, não na esperança de o ver regressar depois de ter cruzado todos os céus, mas na certeza de que com ela ficaram as lembranças de uma noite de verão que se prolongou por todas as estações.
Talvez o destino os volte a cruzar, talvez este não tenha sido o momento para partilharem gaiolas sem grades, talvez um dia os olhos verdes da menina se cruzem com as pestanas grandes do miúdo e se transformem num só olhar, tal como um dia o miúdo lhe disse ser possível…
Hoje com o cair da noite, há quem conte que ela calou tudo o que o coração lhe queria dizer, fez-se forte na sua redoma, fechou os olhos e sonhou com borboletas frágeis e pássaros de asas enormes.
Ouvimos por ai pela boca dos que nunca a entenderam que desta vez chegou ao fim, diz-se mesmo que foi o miúdo que lhe disse sem rodeios…o que é certo é que a menina ainda acredita que os amigos e amores que um dia fizeram parte da sua vida, nem que seja em velhinha a irão abraçar pela última vez.
E com toda a certeza, um dia cruzar-se-á com o pássaro num céu que ela mesma também descobrirá!
A menina acredita que um dia o orgulho do miúdo o deixará agir com sensatez, mas isto são só coisas que se ouvem...
Nunca saberemos se um dia os miúdos se voltarão a cruzar num café da Praça Velasquez...mas se isso acontecer, daqui por muito tempo, alguém se encarregará de dar continuidade a esta história pequenina, que não se conta para embalar bebés, mas que se lê baixinho para si mesmo.

"Verdes?"

quinta-feira

Kiss The Rain

Mergulhei em mim e descobri que sou como um grão de areia que o vento se encarrega de levar para onde quer e quando quer. Hoje ouvi "n" vezes esta música,que estava guardada num CD dentro de uma caixa forrada de recordações, e senti a tua falta, a falta de te ouvir a dizer-me que tenho de agir, de correr na vida, que tenho de gostar de mim... senti a falta do abraço pós discussão, do mimo, das gargalhadas... Hoje que me irritei comigo mesma por achar tudo tão difícil e impossível, lembrei-me muito de ti e da forma como connosco tudo foi sempre tão possível enquanto ambos quisemos e gostamos.
Hoje fechei os olhos e respirei o ar que me aqueceu tantas vezes o coração, olhei para caixa e percebi que agora tudo o que tenho é tão pequenino. Naquela altura o meu coração era gigante, naquele tempo os impossíveis eram forma de chamar a atenção... hoje o coração continua gigante, mas os impossíveis são a realidade com que diariamente me deparo.
Não te consigo explicar, mas sei que estás ai para me ouvir e abraçar se eu precisar. E isso orgulha-me tanto tanto que pouca gente tem noção. Um orgulho imenso por te ter conhecido e teres feito parte da minha vida, um orgulho pelo pessoa que me tornei graças ao que fui aprendendo dentro do nosso mundo, um orgulho por HOJE ter noção de que se daquela vez quase me apaguei, desta só me tornarei mais forte... e o que os outros pensam sobre isto diz-me tão pouco que só me apetece correr 15min e entrar no teu abraço onde o mal NUNCA entrou e onde tudo acalma.
Hoje de olhos ainda fechados e com a música a tocar lembrei-me EXACTAMENTE do momento em que recebi o CD e, sorri por dentro como naquele instante. Separada por um Oceano, com a sensação de que te tinha ao meu lado a dizer-me ao ouvido que estavas ali. E naquele ano o meu aniversário teve sabor a água de coco e cheiro a Boss Intense...tudo o resto foi tão pouco que o que quer que hoje em dia não receba, também não me matará.
Sempre que me magoam eu lembro-me de ti...porque as feridas que tinha daquele tempo já desapareceram e hoje consigo guardar-te desta forma tão minha. Tenho medo que as feridas que agora tento fechar me deixem marcas na pele impossíveis de apagar.
Gostar demasiado é tão mau que chega a perder a graça dizer que se gosta...E hoje sinto isso dentro de mim...e quase que chega a doer...Talvez isto não seja gostar, nunca saberei...mas gosto do impossível!
Hoje lembrei-me de ti!
*Puku*

"Kiss the rain
Whenever you need me"
(E hoje eu beijava)
.
(não foi engano, é só mesmo um ponto)

terça-feira

Calar o mundo!

Hoje, neste silêncio tudo seria perfeito!

E neste momento a única coisa que eu queria era calar o mundo!
Vim do Porto até Mindelo com a música a tocar baixinho e o pé bem leve no acelerador...
Pensei na minha vida e na vida de muitas pessoas de quem gosto...pensei em momentos únicos que já vivi, bons e maus...pensei como seria eu hoje se não tivesse conhecido esta ou aquela pessoa, se não tivesse ido aqui ou ali, se não tivesse dito e ouvido isto e aquilo.
Hoje percebi que a vida pode ser mais curta do que imaginamos, e que ganhamos e perdemos coisas num estalar de dedos. Reparei que nem sempre a ordem natural da vida é levada a sério e que não somos donos de nada, nem de nós mesmos!
Senti-me impotente, totalmente impotente.
E na viagem, com a cabeça em tantos lugares, dei por mim a rezar! A pedir por ti, a pedir que a Senhora que está na NOSSA Igreja de mão dada com o menino, te dê agora a mão a ti e te ajude a ter força. Acredito que esteja muita gente neste momento a pedir por ti, acredito que se a nossa força e as nossas preces fossem suficientes já estarias fora de perigo, mas infelizmente somos tão pequeninos e mandamos tão pouco que nada depende de nós.
O amanhã é realmente distante, mais distante do que imaginamos!

Hoje peço por ti! *

quarta-feira

Arrumei o meu "sotão"!

Abri as caixas e tirei tudo para fora... fotografias para um lado, papéis para outro, guiões, postais, tudo o que andava tão esquecido! Pelas minhas mãos passavam os objectos e pela minha cabeça passavam imagens e momentos que estão tão bem guardados!
Perdi-me no tempo, passeei pelos sitios, sentei-me para respirar em cada lembrança menos feliz... Reparei que guardo muitas coisas e que, para além dos objectos, guardo também as pessoas importantes que conheci ao longo do tempo. Sabe bem saber que dentro de nós há tanto de tanta gente, sabe bem saber que nunca estaremos vazios, mesmo quando nos roubam pedaços de tempo.
E arrumei tudo nos sitios certos, cuidadosamente e com carinho... escolhi o que quero colar na parede para ver todos os dias, separei o que quero guardar numa gaveta fechada à chave. Está tudo pronto para o novo dia, seja ele solarengo ou chuvoso... percebi nestes últimos tempos que somos nós que escolhemos o tempo que faz lá fora e tenho aproveitado o melhor que consigo os dias de SOL que me têm proporcionado!
Hoje arrumei o meu "sotão" com o coração calmo e sem rancores!

"But don't look back in anger!"
I heard you say
At least not today

quarta-feira

Hábitos

Quando perdemos o hábito de ser bem tratados, valorizados, mimados, cuidados... Quando os nossos olhos se habituam a ver só aquilo que por teimosia lhes é mostrado...Quando a nossa cabeça se habitua a pensar só em coisas complicadas...Quando o nosso coração se habitua a gostar daquilo que o parte em bocadinhos...Quando tudo isto se torna um hábito na nossa vida...perdemos a noção do que é certo, do que é bom, do que nos faz bem...e deixamos tantas vezes as oportunidades nos escorregarem por entre os dedos, impedimos o sol de entrar pela janela, fechamos portas, ficamos sempre com os dois pés atrás...
E tudo isto porque nos habituamos a querer pouco e a receber muito pouco.
Quando começamos a perceber que pode ser tudo diferente, muitas vezes (graças aos maus hábitos), ficamos sem força e sem coragem para fechar portas e abrir janelas. Ficamos de pés e mãos atadas por um medo absurdo de andar para a frente.
Depois parece tudo tão perfeito que, por falta de hábito, não achamos real. E damos mais um passa para trás, para observar tudo na nossa área segura.
É assim quando nos deixamos levar por um sentimento quase obsessivo de "Eu quero isto!!tem de ser isto". E é muito dificil, ou pelo menos mais dificil do que as pessoas seguras possam pensar, soltar o que nos prende e virar a página, mesmo quando sabemos que mais tarde ou mais cedo, para nosso próprio bem, será assim.
Gostar não é nenhuma doença, mas pode ser doentio quando se tem a noção que aquele gostar nos destrói bocadinhos bons das pessoas que somos, e ainda assim não sabemos como nos libertar. E no meio de todos os meus "gostares" eu tremo por pensar que já perdi bocadinhos de mim que nunca voltarei a encontrar.
Hoje talvez comece a pensar de outra forma, talvez pense que há hábitos que podem destruir coisas que dificilmente voltamos a ter...e eu quero perder o hábito de ser opção. Quero ganhar hábitos saudáveis e quero essencialmente habituar-me a,de vez em quando,olhar para o meu umbigo (coisa que me habituei a ver outras pessoas fazer)
Amanhã talvez esteja sol....vou acabar por me habituar a tê-lo todos os dias só para mim.
"But if you never try, you'll never know
Just what you're worth."